Número de funcionários públicos em Portugal

Últimas informações e dados estatísticos sobre o número de funcionários públicos em Portugal.

Pela primeira vez em Portugal, em 2015, o número de subscritores da Caixa Geral de Aposentações (CGA), é  superior ao número de trabalhadores que se encontram no ativo.

Existem portanto,mais trabalhadores reformados na função pública do que aqueles que estão no ativo e se encontram a pagar quotas para efeitos de reforma.

Número de funcionários públicos em Portugal

Fonte: Relatório de Acompanhamento da Execução Orçamental da Segurança Social,divulgado pelo Tribunal de Contas (TC).

Pode-se ler a sublinhado no relatório que «O ano de 2015 é o ano de viragem, em que o número de subscritores é inferior ao número de aposentados/reformados».

Número de Funcionários públicos no ativo em Portugal em Dezembro de 2015

  • O número de funcionários públicos em Portugal no final de 2015 era de 473.446 pessoas.
  • Este número representa uma descida de 33,2% (menos 235.551 pessoas) face a 2006.

Número de Funcionários públicos aposentados em Dezembro de 2015

  • O número de funcionários públicos aposentados no final de 2015 era de 486.269 pessoas.
  • Este número representa um aumento de 23,5% face a 2006.
  • Entre os anos de 2013 e 2015, o número de funcionários reformados aumentou 3,2%.
  • Quase metade dos reformados têm idades inferiores a 70 anos.
  • A média de idades dos subscritores da CGA à data de aposentação era de 61,1 anos,de acordo com os dados de 2015.

Evolução histórica do número de funcionários públicos em Portugal

Fontes/Entidades: DGAEP/MF, PORDATA

  • 2007 529.306
  • 2008 523.117
  • 2009 522.925
  • 2010 512.424
  • 2011 551.408
  • 2012 529.900
  • 2013 509.579
  • 2014 497.072
  • 2015 473.446

Redução do número de funcionários públicos

Governo quer reduzir o número de funcionários públicos até ao final da sua legislatura

  • O Governo anunciou em abril de 2016 que a regra de congelamento da contratação na função pública irá manter-se até ao ano 2020.
  • Durante este período,o Estado apenas poderá substituir um funcionário por cada dois que saiam dos quadros.
  • Esta limitação irá desaparecer gradualmente até ao final da legislatura.
  • Depois de 2020,o Estado deverá a voltar a poder contratar um funcionário por cada um que saia.