Lucros do Novo Banco

Últimas informações sobre os lucros e os prejuízos do Novo Banco em 2016.

Os últimos dados são relativos ao primeiro semestre de 2016.

O Novo Banco fechou o semestre com prejuízos de 362,6 milhões de euros.

Lucros do Novo Banco em 2016

Primeiro semestre 2016

  • O Novo Banco registou um prejuízo de 362,6 milhões de euros no primeiro semestre de 2016.
  • No mesmo período de 2015,o banco teve um prejuízo de 251,9 milhões de euros.

Lucros do Novo Banco em 2015

  • O Novo Banco fechou o ano de 2015 com prejuízos de 980,6 milhões de euros.

Novo Banco com novo presidente: António Ramalho 

Os desafios que o novo presidente tem pela frente:

  • cumprir o Plano de Reestruturação;
  • continuar a melhorar o produto bancário (subiu 7,7% em Junho face a 2015);
  • continuar a limpar o balanço do banco com imparidades,
  • vender activos ‘non core’
  • evitar fuga de depósitos se a venda em curso se atrasar.

Leia mais detalhes sobre esta noticia neste artigo do Económico.

Novo Banco

  • O anúncio do resgate ao BES foi anunciado pelo Banco de Portugal na noite de 3 de Agosto de 2014.
  • O Novo Banco foi criado no dia seguinte,a 4 de agosto de 2014.
  • A sua criação foi feita através de uma intervenção de emergência do Banco de Portugal para salvar os activos bons do então falido Banco Espírito Santo (BES).
  • O resgate ao BES foi precipitado pelos prejuízos históricos apresentados nesse ano.
  • Os prejuízos foram na ordem dos 3.577 milhões de euros.
  • Em Agosto de 2016,dois anos depois do resgate,o banco acumulava prejuízos superiores a 1.800 milhões de euros e continuava por vender.

Principais causas para o colapso do BES (BANCO ESPIRITO SANTO)

  • A descoberta de fraudes
  • Os prejuízos do BES de 3,6 mil milhões de euros, no primeiro semestre de 2014.
  • Incumprimento de regras exigidas pelos reguladores e supervisores para operar no setor bancário.
  • Estes foram os principais motivos que levaram ao fim de uma instituição centenária fundada pela família Espírito Santo.
  • A família Espírito Santo é considerada como sendo a última dinastia de banqueiros em Portugal.