Discussões entre pais e filhos

Últimos dados estatísticos sobre as discussões entre os pais e os seus filhos.

Ter o quarto desarrumado e utilizar os telemóveis são os principais motivos de discussão entre os pais e os filhos em Portugal.

Fonte;Indisciplina na Família”.um inquérito feito a mais de 2.500 encarregados de educação portugueses,por Alexandre Henrique.

Os 10 principais motivos de discussão entre os pais e os filhos

  1. A desorganização e a desarrumação do quarto (39,5%)
  2. O uso excessivo de aparelhos tecnológicos (39,4%)
  3. O incumprimento de ordens, orientações ou pedidos (34,3%)
  4. As rotinas de estudo ou trabalhos para casa (28,3%)
  5. As brigas entre irmãos (26,4%)
  6. As birras em geral (24,5%)
  7. Os horários de sono (17,9%)
  8. A recusa em realizar tarefas domésticas (16,9%)
  9. O insuficiente desempenho escolar (10,1%)
  10. O comportamento escolar desajustado (7,4%)

Como foi realizado este estudo

  • O estudo foi realizado através de um inquérito ‘online’.
  • Participaram neste estudo 2.583 encarregados de educação de Portugal Continental e Ilhas.

Outros dados do estudo Indisciplina na família;

  • É no 2º Ciclo que surge em primeiro lugar as discussões por causa do uso excessivo de aparelhos tecnológicos (46,3%)
  • Este problema é acentuado no 3º Ciclo (53,8%) e  no Secundário (44,4%).
  • No pré-escolar e 1º Ciclo o principal motivo para as discussões entre os pais e os filhos são as birras, com 75% e 42,1%, respetivamente.
  • As discussões que estão ligadas ao estudo e trabalhos de casa são mais acentuadas no 2º e 3º Ciclo de escolaridade.

Como são aplicados os castigos dos pais aos filhos

  1. Repreensão através de um diálogo calmo” (97,3%)
  2. Repreensão aos gritos (79,7%)
  3. Repreensão através da privação dos filhos de objetos como os brinquedos, telemóveis ou a televisão” (79,9%)
  4. Repreensão através da privação dos filhos de atividades de que gostam” (66,7%)
  5. Bater nos filhos (26,8%)
  6.  Repreensão através do impedimento de estarem com os amigos (24,5%)

Leia também: